sexta-feira, 20 de abril de 2012

Deformação


A deformação pode ser definida geologicamente, como todas as modificações experimentadas pelos corpos rochosos que afetam a sua posição, orientação, volume e forma inicial.

A deformação depende do tipo de força aplicada aos materiais e da natureza destes, e inclui os (seguintes regimes:

1)      elástico - quando o objeto retorna à sua forma inicial logo que a for­ça deixar de atuar;

2)      plástico - a força provoca a deformação permanente de material que assim não retorna à sua posição inicial após a aplicação da força. Esta deformação ocorre quando se ultrapassa o limite de elasticidade do material;

3)      frágil - também é um tipo de deformação permanente, em que esta ultrapassa o limite de plasticidade do material que quebra, alterando profundamente a sua forma inicial.

As dobras e as falhas podem apresentar dimensões muito variáveis, desde a escala microscópica à macroscópica (ao longo de centenas de quilómetros). Estas estruturas resultam da deformação da crusta terres­tre, que se verifica devido à mobilidade da litosfera. A deformação das ochas é mais intensa nos limites de placas, onde as forças tectónicas ao mais fortes e ativas. A Geologia estrutural é o ramo da Geologia que estuda a deformação causada pela interação das diferentes placas tectónicas.
O estudo das dobras e das falhas é extremamente importante, pois permite estudar a história da Terra, principalmente os fenómenos associados à tectónica de placas. O melhor conhecimento do dinamismo do planeta Terra é importante para diversas disciplinas, como a sismologia e vulcanologia que possuem um papel determinante na prevenção e minimização dos riscos geológicos.


Sem comentários:

Enviar um comentário