segunda-feira, 12 de março de 2012

Sequóias - Gigantes da floresta (Questão de aula)

É na extremidade meridional do Parque Estadual de Sequóias de Humboldt, que se localiza o local com a maior mancha contígua de floresta de sequóias original do planeta - cerca de quatro mil hectares. As planícies aluviais junto aos seus riachos e rios são um excelente habitat para sequóias: neste lugar, a mistura de solos férteis, água e nevoeiro proveniente do oceano pro­duziu a floresta mais alta do planeta. Das 180 sequóias com mais de 106 metros conhecidas, mais de 130 encontram-se aqui.

Sequóias brotavam do solo como pés de feijão gigantes, com a base enegrecida pelo fogo. Algumas exibem uma casca fibrosa desenhando espirais ascendentes. Outras têm cavidades enormes suficiente­mente grandes para abrigar 20 pessoas.

Para os silvicultores, as sequóias possuem magia. Uma vez que a casca e o cerne des­tas árvores são ricos em compostos denomina­dos polifenóis, os insectos e os fungos decompositores não as apreciam. E como não há muita resina na casca fibrosa, as sequóias de maior di­mensão têm muita resistência ao fogo.



Talvez o mais espantoso atributo das sequóias seja a sua capacidade para produzir rebentos sempre que o câmbio (o tecido vivo sob a casca) é exposto à luz. Se o topo se partir, se um ramo for podado, ou se a árvore for cortada por um lenhador, um novo ramo brota da ferida. Por toda a floresta, encontramos tocos enormes com aglomerados de uma segunda geração de árvo­res em redor da base. Estas árvores são clones da progenitora e o seu DNA pode ter milhares de anos. Estranhamente, as pinhas são minúsculas e só esporadicamente produzem sementes. Por essa razão, a rebentação através dos tocos tem sido fundamental para a sobrevivência ao longo da era do abate madeireiro.

Estas árvores têm outro truque que os silvicultores adoram. Com a sua elevada tolerância à sombra e capacidade de rebentar, algumas sequóias podem permanecer à sombra das mais velhas, quase dormentes, durante décadas. As­sim que a árvore dominante cai ou é abatida, interrompendo o espaço entre as copas e per­mitindo de novo a entrada de luz na floresta, os rebentos dormentes começam a crescer.

Fonte : adaptado de National Geographic - Novembro 2009

Questão de aula :


Explique, a partir da informação fornecida no texto, a reduzida variabilidade genética entre clones de uma sequóia e a grande variabilidade genética entre sequóias da mesma espécie resultantes de diferentes sementes.

Sem comentários:

Enviar um comentário